Logo Jornal

Quarta-Feira, 28 de Fevereiro de 2024




RCN IMPRESSA

Cresce o uso de GNV no transporte de carga

Visite nossa rede social @rcnonline_sc

A SCGás vem investindo para expandir a utilização do combustível de baixo impacto ambiental em todo o país

Cresce o uso de GNV no transporte de carga
Foto: Cassiano Ferraz / SCGás
- Engenheiro Ronaldo Macedo Lopes, da Gerência de Mercado Industrial Veicular da SCGÁS, concedeu entrevista à Rede Catarinense de Notícias

Rede_746.pdf - visualizar documento

Caminhões movidos a GNV (Gás Natural Veicular) e biometano são uma realidade no mundo. A SCGás - Companhia de Gás de Santa Catarina - vem investindo para expandir o mercado nacional, tornando- -o ainda mais atraente às empresas de transporte de cargas. Segundo o engenheiro Ronaldo Macedo Lopes, da Gerência de Mercado Industrial Veicular da SCGás, o uso de GNV ou biometano representa uma redução entre 15 e 20 por cento no consumo de combustíveis, mas principalmente trata-se de uma matriz energética de baixo impacto ambiental, ao contrário dos veículos de cargas movidos a óleo diesel, que despejam no meio ambiente toneladas de gases altamente tóxicos, como ogás carbônico (CO2).

Ronaldo destacou que o mercado mundial está migrando para o transporte de cargas em veículos abastecidos a combustíveis “limpos”. “Essa visão do ambiente de negócio mundial não pode ser diferente no Brasil, pois o que se está provocando é uma verdadeira revolução no setor de transporte de cargas”, afirmou o executivo, em palestra proferida na 2ª Febratex Summit, realizada em Blumenau.

Ele lembrou que, no caso do GNV, a redução da emissão de gás carbônico e outros poluentes na atmosfera chega a 21%, enquanto o biometano é superior a 95%. “Estamos caminhando para a descarbonização do setor de transporte de cargas”, observou Ronaldo Macedo.

Plano de expansão

Para expandir o mercado de GNV e biometano, a SCGás objetiva dotar a malha viária do país com grandes corredores rodoviários que possibilitem o abastecimento dos caminhões com GNV e biometano. Em Santa Catarina, a empresa tem uma infraestrutura bastante desenvolvida. "Dos 140 postos que operam com GNV, 44% (60) estão instalados estrategicamente nas principais rodovias e, portanto, já podem abastecer, além dos veículos leves, também os veículos pesados”, revelou o engenheiro.

Menos importação

Também presente na Febratex, o presidente da SCGás, Otmar Müller, lembrou que mesmo que determinada indústria não consuma gás natural em seus processos, ela poderá usá-lo na logística dos produtos com benefícios ambientais em relação ao diesel e competitividade de preços. “Isso está na agenda das principais indústrias brasileiras, os próprios clientes estão exigindo selos de redução do consumo de gases do efeito estufa, essa é a oportunidade para as indústrias migrarem suas frotas de caminhões movidos a óleo diesel para o gás natural”, enfatizou.

Müller chama atenção ainda para a possibilidade do Brasil importar menos óleo diesel, já que não é auto suficiente nesta matriz energética e paga um preço elevado no mercado internacional para ter o produto.


Sobre a RCN Imprensa

A página da Rede Catarinense de Notícias, elaborada pela Agência Adjori de Jornalismo, é o conteúdo impresso mais visto de Santa Catarina. A página circula semanalmente em mais de 40 jornais de todas as regiões do Estado. A tiragem somada dos participantes supera 130 mil exemplares.

A publicação iniciou em 2002 e segue de forma ininterrupta até hoje. Já são mais de 600 edições contando os principais fatos de Santa Catarina.

logo_rodape

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br