Logo Jornal

Domingo, 3 de Março de 2024




ALESC

Deputados criticam postura do presidente da Fesporte durante audiência pública

Visite nossa rede social @rcnonline_sc

Conforme o parlamentar, que preside a Comissão de Esportes e Lazer da Assembleia Legislativa, ao receber os questionamentos relativos ao tema, Paulão teria se dirigido a ele com palavras de baixo calão

Deputados criticam postura do presidente da Fesporte durante audiência pública
Foto: FOTO: Solon Soares/Agência AL
-


Deputados de diversas siglas partidárias foram à tribuna durante a sessão plenária da manhã desta quinta-feira (30) para manifestar solidariedade ao deputado Fernando Krelling (MDB), que relatou ter sido agredido verbalmente pelo presidente da Fundação Catarinense de Esportes (Fesporte),  Paulo André Jukoski da Silva, o Paulão.

O caso teria acontecido na noite desta quarta-feira (29), durante uma audiência pública convocada por Krelling para discutir a decisão do governo do Estado de cancelar diversos eventos esportivos programados para este ano. Conforme o parlamentar, que preside a Comissão de Esportes e Lazer da Assembleia Legislativa, ao receber os questionamentos relativos ao tema, Paulão teria se dirigido a ele com palavras de baixo calão. “No final da audiência o presidente da Fesporte veio para cima e baixou o tom realmente, com alguns xingamentos a minha pessoa.”

Em aparte, o deputado Massoco (PL) buscou pacificar a situação, afirmando que as palavras proferidas por Paulão podem estar relacionadas à forte pressão que ele vem recebendo pelo cancelamento dos eventos esportivos e que apresentava desculpas em nome do dirigente.

A argumentação não impediu, entretanto, que Krelling pedisse a exoneração do presidente da Fesporte. “Presidente Paulão, faça um favor para Santa Catarina, para o esporte catarinense, não crie um desgaste para o governador Jorginho Mello, peça exoneração do seu mandato. Todo o segmento está totalmente contra essa gestão, então seria um grande gesto o seu pedido de exoneração.”

Os deputados Neodi Saretta (PT), Delegado Egídio (PTB) e Altair Silva (PP) manifestaram-se no mesmo sentido.

“É lamentável o que aconteceu, então há na Casa um posicionamento unânime das bancadas de solidariedade. E é preciso realmente que haja uma ação imediata e talvez o próprio Paulão possa poupar o governo de mais desgaste e tomar a medida de saída imediata”, disse Saretta .

“Quando alguém vem aqui nessa Casa e não usa o diálogo, não usa o debate e falta com o respeito a vossa excelência [Krelling], ele te ofende e me ofende também, e a todo o Parlamento. Isso é inconcebível e indesculpável. E mando um recado para o presidente da Fesporte: Paulão, pede para sair”, frisou Egídio.

“As palavras proferidas pelo ex-atleta Paulão mancham toda a sua biografia, a sua história. E evidentemente ele deve um pedido de desculpas expresso à sociedade catarinense e a essa Casa também”, disse Altair, afirmando ainda que o gestor deve pedir exoneração “como um ato de hombridade”.

Já os deputados Matheus Cadorin (Novo) e Pepê Collaço (PP) defenderam que a Assembleia Legislativa envie uma nota de repúdio ao governo do Estado.

“Temos que enrolar a bandeira partidária e eu sugiro uma ação conjunta da Assembleia. Que seja uma nota de repúdio a essa atitude, porque isso não pode escalar, virar um precedente para que outros tenham a liberdade também de ofender essa Casa, dizendo que nós nos escondemos atrás de um microfone”, disse Cadorin.

“Confrontos fazem parte de um Parlamento e daquilo que a gente defende, mas ultrapassar os limites como Paulão fez ontem é inaceitável. Acho que a Assembleia tem que tomar uma postura de repúdio e saber o que governo do Estado vai fazer diante desse fato, que não foi só desrespeitoso ao deputado Fernando Krelling, mas ao Parlamento catarinense”, avaliou Collaço.

A atuação de Krelling frente ao caso contou ainda com o apoio dos deputados Emerson Stein (MDB), Fabiano da Luz (PT), Lunelli (MDB), Marcius Machado (PL), Tiago Zilli (MDB), Jair Miotto (União), Carlos Humberto (PL) e Sérgio Guimarães (União) .

Homenagem à Polícia Militar

Ainda durante a sessão, Emerson Stein apresentou moção de aplauso às unidades da Polícia Militar das regiões da foz do rio Itajaí e Vale do Rio Tijucas.

“Quero parabenizá-los pelo trabalho realizado no dia a dia pela nossa gente e pela segurança de Santa Catarina.”

Críticas ao hospital

Sérgio Guimarães repercutiu o caso de uma idosa, de 90 anos, que foi encontrada viva em um crematório após os médicos a terem declarado morta.

O caso teria acontecido no Hospital Regional de São José, que recebeu críticas por parte do parlamentar.

“Tem muita gente boa trabalhando lá, mas o Hospital Regional não pode virar um depósito de gente amontoada. Nós temos que ter amor, empatia e respeito pelo cidadão que chega lá”, disse.

Defesa da vida

Ana Campagnolo (PL) parabenizou a equipe da Maternidade Carmela Dutra, em Florianópolis, pelo êxito em salvar a vida de um bebê ainda na 24ª semana de gestação.

A ação, disse, vai no sentido oposto à praticada por outra unidade hospitalar, que em 2022 promoveu o abordo de um bebê no 7º mês de gestação, e deve servir para despertar a reflexão da sociedade.

“A equipe médica do hospital se mobilizou fortemente, de maneira aguerrida, para preservar a vida de um bebê de 24 semanas enquanto outro hospital conseguiu autorização para matar um bebê de sete meses. Mas qual é a diferença entre esses dois bebês? Por que um bebê de 24 semanas merece os nossos esforços para sobreviver e um bebê de sete meses tem que ser morto, executado pelo Estado?”

Pleitos atendidos

Napoleão Bernardes comemorou a notícia de que o governo do Estado vai enviar para a Assembleia Legislativa projetos contemplando duas reivindicações suas: a continuidade dos benefícios fiscais para os produtos da cesta básica e a possibilidade de parcelamento do pagamento do ITCMD.

“Trago a essa tribuna um sentimento de conquista após cobranças importantes, que deram resultados.”

Investimentos federais em SC

Fabiano da Luz defendeu a atuação do governo federal junto a Santa Catarina, afirmando que foi somente nas gestões de Lula e Dilma Rousseff que o estado recebeu grandes investimentos.

Ele citou obras como  a duplicação do acesso ao trevo de Chapecó, a pavimentação da BR-163 entre São Miguel do Oeste e Dionísio Cerqueira, o início da duplicação BR-470, a duplicação do trecho Sul da BR-101 e a construção da ponte Anita Garibaldi, em Laguna.

“Você pode não gostar do partido, mas tem que admitir que Santa Catarina só evoluiu e cresceu, só recebeu verba federal, quando o país foi governado pelo Partido dos Trabalhadores. No resto, foi motociata e passeio de jet ski”, disse.

logo_rodape

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br