Economia

Secretário da Agricultura apresenta ações e programas do Estado para mitigar efeitos da estiagem

Municípios do Oeste e do Extremo-Oeste são os mais afetados

Foto: Julian Wildner/Prefeitura Itapiranga
O secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, apresentou as medidas de apoio do Governo do Estado

A falta de chuvas volta a causar estragos nas lavouras catarinenses, com perdas de até 50% na colheita de milho do Extremo Oeste. Por determinação do governador Carlos Moisés um grupo de monitoramento - com órgãos do Governo do Estado - foi convocado para monitorar a situação em tempo real com ações imediatas para mitigar os impactos da estiagem que atinge Santa Catarina. Nesta terça-feira, 4, o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, visitou alguns municípios atingidos e apresentou as medidas de apoio do Governo do Estado para minimizar os prejuízos no meio rural. O roteiro incluiu reuniões com prefeitos e lideranças de Itapiranga, Mondaí, Riqueza, Caibi e Planalto Alegre.

"Nós estamos percorrendo os municípios do Oeste e Extremo Oeste focados no atendimento aos agricultores prejudicados pela estiagem. Em dezembro nós tivemos um déficit hídrico de até 80% o que afetou diretamente a agropecuária catarinense. Em 2021, nós investimos R$ 100 milhões para apoiar a construção de sistemas de captação, armazenagem e uso de água, o que se mostrou uma ação certeira e diminuiu a demanda nos municípios. Vamos continuar investindo, serão mais R$ 100 milhões em 2022 para que o Programa SC Mais Solo e Água não pare e que mais produtores sejam beneficiados", destaca o secretário Altair Silva.

A estiagem é causada pelo baixo volume de chuvas nas regiões Extremo Oeste, Oeste e Meio Oeste de Santa Catarina. A média atual de precipitações nesses locais é de, respectivamente, 20, 31 e 46 milímetros - sendo que o esperado seria uma média em torno de 150 mm. Ou seja, há um déficit de água de 130 milímetros no Extremo Oeste.

A principal preocupação do setor produtivo é a quebra na safra de milho - tanto milho grão quanto silagem - que deve impactar diretamente as cadeias produtivas de carne e leite. Só no município de Itapiranga, as estimativas são de uma quebra de 35% na produção esperada de milho grão e de 20% na colheita de soja.

O prefeito de Itapiranga, Alexandre Ribas, explica que mesmo com um sistema robusto de tratamento e distribuição de água potável, o município vem enfrentando dificuldades para abastecer o meio rural. Devido à falta de chuvas, os agricultores estão utilizando essa água tratada para alimentar os animais e para minimizar as perdas nas plantações, causando uma sobrecarga no sistema.

Os encontros nos municípios contam ainda com a presença da equipe local da Defesa Civil e da Epagri, que reforçam a importância dos decretos de emergência, além do apoio dado aos produtores rurais na elaboração de laudos para liberação do Proagro.

Ações para minimizar os impactos da estiagem

A Secretaria de Estado da Agricultura mantém programas especiais para aumentar a resiliência hídrica em Santa Catarina e minimizar os impactos das estiagens recorrentes.

Em 2021, por meio do Programa SC Mais Solo e Água, o Governo do Estado investiu R$ 100 milhões em financiamentos sem juros ou subvenção aos juros de financiamentos para apoiar a construção de sistemas de captação, armazenagem e distribuição de água no meio rural. Além da transferência de recursos para os municípios adquirirem equipamentos.

Foram 2,4 mil produtores beneficiados e serão 100 prefeituras atendidas. O Programa contará com mais R$ 200 milhões em investimentos nos próximos 2 anos.

Além disso, a Secretaria da Agricultura destinou R$ 4,5 milhões para aquisição de 126 distribuidores de água que foram cedidos para os municípios de Santa Catarina ao longo do último ano.

I




logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br