Logo Jornal

Quarta-Feira, 28 de Fevereiro de 2024




Opinião

Comércio Exterior Catarinense: Avaliações e Perspectivas, por Henry Uliano Quaresma

Visite nossa rede social @rcnonline_sc

Comércio Exterior Catarinense: Avaliações e Perspectivas, por
Henry Uliano Quaresma
Foto:
- Henry Uliano Quaresma possui uma trajetória profissional de mais de 25 anos na área industrial, relações institucionais e negócios Internacionais

O Comércio Exterior é um importante termômetro da internacionalização e competitividade, apresentando os volumes de importação e exportação.

No primeiro semestre de 2023, compreendendo o período de janeiro a junho, as exportações brasileiras cresceram 1,0%, totalizando USD 165,7 bilhões, e as exportações totais catarinenses decresceram 0,6%, totalizando USD 5,8 bilhões. Mas o estado de Santa Catarina passou da 10ª posição para a 9ª posição como estado exportador, superando o estado da Bahia, tendo como principais produtos a carne de frango (17%), a carne suína (13%), a soja (6,8%) e os geradores elétricos (5,1%).  Os principais mercados de destinos foram China (16%), EUA (14%), Argentina (7,8%) e México (5,8%).

Houve uma inversão de posição entre a China e os EUA.  No primeiro semestre de 2022, os EUA estavam na primeira posição como principal mercado de destino. Agora, no primeiro semestre de 2023, a China está em primeiro e os EUA em segundo lugar.

No primeiro semestre de 2023, Santa Catarina exportou para a China USD 916,6 milhões, com um incremento aproximado de 14 % com relação ao mesmo período, em 2022.  Os EUA tiveram um decréscimo em torno de 26 %, em 2023, totalizando USD 791 milhões.

A carne de frango, que é o produto catarinense mais exportado, teve um incremento aproximado de 9,4% no primeiro semestre de 2023, USD 1,01 bilhão. Já a carne suína passou  para USD 745 milhões, com  um incremento aproximado de 26,3%.

Com relação às importações brasileiras, houve um decréscimo de 7,1% em relação ao primeiro semestre de 2022, totalizando USD 120,6 bilhões. Santa Catarina, no mesmo período, cresceu 4,2%, correspondendo a 11,6% das importações brasileiras, ficando na 2ª posição, depois do estado de São Paulo. Grande parte das importações realizadas pelos portos catarinenses possui destino para outros estados.

Sempre teremos oscilações nos valores das exportações e importações, pois dependem de vários fatores dos negócios das empresas e do ambiente de negócios em que elas estão inseridas, como câmbio, custos logísticos, demanda nos países e assim por diante.

Outro ponto importante que deve ser observado é a corrente de comércio de Santa Catarina, que é a soma das importações e exportações, totalizando, no primeiro semestre de 2023, a cifra de USD 19,8 bilhões. Portanto, foram aproximadamente R$ 97 bilhões que circularam na economia catarinense, nos diversos setores que envolvem o comércio exterior, como a logística, o sistema financeiro, as indústrias, os portos, o comércio etc.

Com relação as perspectivas no Comércio Exterior, temos uma série pontos a serem analisados, sendo alguns internos no Brasil e outros externos.   A Receita Federal vem trazendo atualizações focadas em desburocratização nos processos de comércio exterior. O Portal Único de Comércio Exterior estabelece uma central única entre as empresas que operam no mercado internacional,  a Secretaria de Comércio Exterior e a Secretaria da Receita Federal,  concentrando informações de interesse do exportador e do importador.

No ambiente internacional, temos também muitas oscilações de preços nos fretes internacionais, reflexos do conflito Rússia-Ucrânia e influências no pós-pandemia do coronavírus, que estão gerando desarticulação nas cadeias globais de produção.

O “Fator China” também tem forte influência no mundo, com aumento dos custos de produção e desaquecimento econômico em alguns setores  industriais do país asiático. Portanto, este tema deverá ser monitorado de perto.

Mas para avançarmos ainda mais na exportação, neste cenário desafiador, temos que diversificar e reduzir os riscos das operações, começando a buscar novos mercados de destino para os nossos produtos.

Novas oportunidades surgem a cada momento! Vamos em frente!

Fonte dos Dados: Secretaria de Comércio Exterior/MDIC

(*) Henry Uliano Quaresma possui uma trajetória profissional de mais de 25 anos na área industrial, relações institucionais e negócios Internacionais. Engenheiro com especialização em Marketing pela FGV, MBA em Administração Global,  pela Universidade Independente de Lisboa, Especialização Executiva Internacional em Estratégia e  Gestão pela  The Wharton School e Insead Business School.
Foi Diretor Executivo da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina-FIESC, além de ter atuado em  Empresas, Governo e Universidades.
Atualmente, é CEO da Brasil Business Partners, e também desempenha atividades como Conselheiro em Empresas e  Entidades Empresariais. É autor do Livro O Fator China e os Novos Negócios (2021), que é referência empresarial no Brasil.

logo_rodape

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br