Coronavírus

Após fala polêmica em rede nacional, Fecam diz que Bolsonaro deve ser ignorado

Presidente realizou pronunciamento e utilizou os termos 'gripezinha'e 'resfriadinho'. Moisés disse estar 'estarrecido' com fala do presidente

Políticos de Santa Catarina reagiram com críticas à fala do presidente Jair Bolsonaro sobre o combate ao Coronavírus. Em pronunciamento em rede nacional, Bolsonaro disse que gestores estaduais e municipais exageraram nas medidas de restrição de pessoas e chamou a Covid-19 de 'gripezinha'e 'resfriadinho'.

A Federação Catarinense de Municípios (Fecam) emitiu uma nota em que classifica as declarações como inadequadas e diz que o presidente deve ser ignorado. "Tal pronunciamento inadequado, gera graves conflitos político-institucionais, riscos à população, falta de unidade institucional e prejuízo à consolidação de estratégias nacionais para enfrentar a pandemia", diz o texto. 

Em outro trecho, a Fecam afirma que "estados e municípios tomam medidas, com coragem e protagonismo, na função de cumprir medidas estaduais e locais". 

"Pelo mundo inteiro, exemplos demonstram que o enfrentamento determinado e o isolamento social representam o único caminho eficaz. [...] No Brasil, em posição inaceitável, o Presidente destoa, desinforma e deve ser ignorado". 

Além dos prefeitos, também houve uma resposta do Executivo estadual. Após a fala, o governador Carlos Moisés da Silva publicou em rede social: "A preservação da vida das pessoas é o mais importante de tudo. Por isso, reforço: #FiqueEmCasaSC. As medidas de restrição do convívio social CONTINUAM VALENDO. Não coloque em risco a sua vida e a das pessoas que você ama", diz o texto.

Moisés também divulgou um vídeo em que se diz "estarrecido" com o pronunciamento do presidente da República. Além disso, lembrou que nesta quarta-feira (25) inicia um novo ciclo de quarentena. Ele reafirmou a defesa da estratégia de restrição do convívio social. 


O que disse Bolsonaro

O presidente da República criticou, principalmente, a imprensa e gestores públicos. "Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa", afirmou. 

"O que tínhamos que conter naquele momento era o pânico, a histeria e ao mesmo tempo traçar estratégias para salvar vidas e evitar o desemprego em massa [...] Grande parte dos meios de comunicação foram na contramão. Espalharam exatamente a sensação de pavor", disse. 



logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br