Jornal A Semana: Alerta para jogo da 'Baleia Azul'

20 Abril 2017 20:21:00

Polícia investiga caso de desafio online que leva jovens a tentarem suicídio e já chegou a Curitibanos

Texto Renato Whestphal/A Semana

Na tarde de terça-feira (18), por volta das 14h30min, depois de notícias divulgadas na imprensa catarinense de que dois jovens, um da cidade de Lages e outra de Laguna, estariam integrando um grupo nas redes sociais, denominado Desafio Baleia Azul, que induz pessoas ao suicídio, a Polícia Civil de Curitibanos recebeu informações de que uma jovem do município também participa do grupo e havia postado mensagens que davam a entender que passava por momentos indecisos, vivia sozinha e não poderia falar com pessoas fora do grupo. O jogo, que vem preocupando muitas famílias, propõe 50 desafios, alguns de autolesões, sendo o último o suicídio. 

Policiais civis de plantão e agentes da DIC iniciaram as buscas pela integrante e conseguiram contato pelo WhatsApp. Logo perceberam que a página inicial apresentava a hora da postagem dos desafios, 4h20min, e a foto da baleia no perfil. Em cidade do porte de Curitibanos, onde ainda é possível facilmente encontrar o endereço das pessoas identificadas por fotos, os policiais conseguiram o endereço e convidaram a jovem, de 19 anos, a dar explicações sobre as postagens.

Ela prestou esclarecimentos ao psicólogo da Polícia Civil e confirmou fazer parte de um grupo de WhatsApp chamado Baleia Azul. Segundo declarou, as pessoas pedem para serem adicionadas e as tarefas do desafio são realizadas sempre às 4h20min da madrugada, com fotos ou vídeos que são compartilhados no grupo. Depois de ter conhecimento sobre os serviços de psicólogo e acompanhamento especializado oferecido pela Polícia Civil, a jovem alegou que não precisava do atendimento. Segundo disse, ela não sai do grupo porque não quer, não tem medo do administrador e está lá por vontade própria.

Foi registrado um boletim de ocorrência por indução ao suicídio e ela, relacionada como vítima. O aparelho celular ficou apreendido e passará por vistoria.

O importante, segundo orientação das autoridades policiais, é a família sempre estar acompanhando com quem seus filhos mantêm contatos nas redes sociais e conversar sobre o assunto, o que poderá evitar transtornos futuros.


Imagens

logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br