indústria

'Comparando com o resto dos estados, estamos bem acima da média', diz Fiesc

Para entidade, crescimento de 2,2% da indústria mostra que SC está se destacando

Foto: Agência Brasil

Em 2019, a produção industrial de Santa Catarina cresceu 2,2%, segundo dados do IBGE. Apesar do número menor em comparação com anos anteriores, o valor foi considerado satisfatório pelo setor no Estado. 

Segundo a gerente do Observatório da Federação das Indústrias do Estado de SC (Fiesc), Eliza Coral, esperava-se um crescimento mais robusto, mas a tendência é de retorno. 


Rede Catarinense de Notícias - O aumento da produção industrial em 2019 foi de 2,2%. É considerado um crescimento baixo?

Eliza Coral - Não é considerado um crescimento baixo se a gente considerar que o acumulado do ano do Brasil foi de -1,1%. Considerando a indústria de Santa Catarina, ela cresceu muito mais do que a média do Brasil. A gente tem os dois setores que puxaram bastante esse crescimento foram os produtos alimentícios, aves e suínos, e máquinas, aparelhos e materiais elétricos.


RCN - O agro foi beneficiado pelo mercado externo. Por que materiais elétricos tiveram maior desempenho?

Eliza - A gente tem uma Weg que está crescendo bastante. Está com uma estratégia comercial de diversificação, então eles são um forte player que ajuda bastante esse crescimento.


RCN - O têxtil teve -0,5% e é um setor importante para o Estado. Qual a avaliação?

Eliza - O setor têxtil tem tido uma concorrência internacional muito forte nos últimos anos e várias empresas estão buscando reposicionamento, buscando inovar. Mas o setor como um todo teve uma queda até não tão acentuada assim. A gente vê uma certa manutenção, mas é em função da concorrência internacional.


RCN - Até junho, houve aumento de 4,7%, mas o ano fechou em 2,2%. O que aconteceu no segundo semestre?

Eliza - Esperava-se um crescimento mais acentuado, mas mesmo assim, a gente teve uma alta superior à média brasileira. A economia não cresceu o esperado, o previsto. Mas ela está retomando devagar. A tendência é de retorno e de crescimento.


RCN - Existia uma expectativa de que no segundo semestre a economia fosse melhor devido à lentidão das reformas no primeiro semestre. O número mostra o contrário?

Eliza - Não, o que a gente está vendo é que está tendo uma retomada, tanto que a gente fechou com desempenho positivo. Se você fecha com desempenho positivo e o Brasil fecha com desempenho negativo, nós em Santa Catarina estamos nos destacando. Algumas indústrias tiveram crescimento maior, outras tiveram crescimento menor, o que levou a esse índice. Existem fatores internacionais, existe toda a conjuntura global. São estimativas que são feitas e nem sempre atingem o resultado esperado. Mas a gente comparando o nosso desempenho com o resto dos estados, nós estamos bem acima da média.


RCN - A ideia é de que em 2020 se possa aumentar esse crescimento?

Eliza - Nós fizemos uma avaliação de vários rankings de estimativa de crescimento para o ano que vem. Então, os rankings variam de uma perspectiva mínima de 1,8% até 2,7% de crescimento. A gente olhando a média, dá um crescimento de 2,3% de expectativa de crescimento para o PIB.


mais sobre:

Economia Fiesc

logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br