economia

Após ciclone, empresários pedem postergação de impostos e ampliação do crédito

Grupo enviou ofício ao governo de SC pedindo ações emergenciais. 'Este infortúnio agrava ainda mais a crise que já vivemos', diz o texto

Foto: Divulgação/Prefeitura de Palmitos

O Conselho das Federações Empresariais de SC (Cofem) solicitou ao governo do Estado a postergação do recolhimento de ICMS e ampliação do crédito emergencial via Badesc e BRDE, após os estragos causados pelo ciclone extratropical na terça e quarta-feira (30 e 1º). 

Em ofício enviado nesta sexta-feira (3), a entidade diz que "este infortúnio agrava ainda mais a crise que já vivemos em meio ao Covid-19, que nos impôs uma perda de quase meio milhão de empregos formais, uma quebradeira generalizada de empresas e fragilidade ao nosso tecido social". O documento foi encaminhado ao governador Carlos Moisés da Silva. 

A proposta do Cofem é pela postergação de ICMS nos meses de junho, julho, agosto e setembro às empresas do comércio de bens, serviços, turismo, transporte, agricultura e às indústrias em geral. O objetivo é de que os empresários possam ter um incentivo na reforma dos danos estruturais. 

O Cofem é formado pelas federações das Indústrias (Fiesc), do Comércio (Fecomércio), da Agricultura (Faesc), do Transporte de Cargas (Fetrancesc), das Associações Empresariais (Facisc), das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL), e das Micro e Pequenas Empresas (Fampesc), além do Sebrae/SC. 





logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br