FATOS E INTERPRETAÇÕES
Coluna assinada pelo corpo docente da Unisul

'Por que gostamos de fake news?', por Cilene Macedo

29 Janeiro 2018 14:37:00

As notícias falsas sempre existiram, muito antes da evolução tecnológica, da chegada dos computadores e das redes sociais. Elas chamam a nossa atenção por se tratarem de informações com tom alarmante, algo inédito, curioso e escandaloso. Chocados com a possível notícia, numa fração de segundos passamos adiante com a intenção de informar outras pessoas sobre o fato, sem checar a fonte. Esta atitude está se tornando muito comum, e tomou maior proporção com as redes sociais. O problema é que além de colaborarmos com esta cultura da fake news, podemos prejudicar muitas pessoas se passarmos adiante. 

A fake news, como o nome diz, é uma 'notícia falsa' que não obedece aos critérios jornalísticos de verdade e apuração dos fatos. É uma informação mentirosa, um engano proposital. As notícias falsas na internet surgiram com o intuito de ganhar dinheiro com a publicidade ou de prejudicar a imagem de alguém, podendo ser de uma pessoa ou de uma empresa. Estamos vendo seu crescimento principalmente na política. Vimos isso em 2016, nas eleições do presidente dos EUA, Donald Trump, que teve um recorde de notícias falsas. Uma delas dizia que o Papa Francisco estaria apoiando as eleições. Foram identificados mais de 140 sites que distribuíram notícias falsas sobre Trump. Muitas notícias foram criadas por dois jovens de Veles (Macedônia), que viram no momento político a oportunidade de gerar renda, por meio dos links e compartilhamentos das notícias.

Toda essa discussão sobre notícias mentirosas trouxe à tona o termo pós-verdade, tanto que em 2016 foi considerada a palavra do ano pelo dicionário Oxford. Mas o que a pós-verdade tem a ver com a fake news? Tudo. Porque nós lemos as notícias baseados nas crenças pessoais e quando nos deparamos com uma notícia que nos identificamos (mesmo sendo falsa) acreditamos com mais facilidade. Fazemos uma seleção afetiva do que lemos. E algo que aparente ser verdade é mais importante que a própria verdade, quando a relacionamos com o que cremos. E neste caso a busca pela verdade passa a não ser tão importante. Podemos trazer aqui o filósofo Nietzsche, que dizia "não há fatos, apenas versões".

Por isso é necessário que tenhamos mais atenção às noticias que lemos e compartilhamos para tentar combater essa ação. Esse tipo de notícia não só prejudica o trabalho dos jornalistas como também as pessoas envolvidas de um modo geral. Para reconhecer uma fake news fique atento aos seguintes detalhes: são notícias com tom alarmante, geralmente sem a fonte e sem autor, não são publicadas em mídias oficiais (veículos renomados), notícias sem data, hora e local e sempre tem pedido de curtir e compartilhar.

Cilene Macedo

Jornalista na Unisul 

logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br