FATOS E INTERPRETAÇÕES
Coluna assinada pelo corpo docente da Unisul

A Universidade e os Centros de Inovação em SC, por Fábio Zabot Holthausen

29 Novembro 2017 13:39:00

As organizações, sejam elas empresariais ou socais, estão sendo desafiadas a inovar. Dia após dia. Mais que questão de mercado e da própria sobrevivência, é preciso dar sentido para as pessoas, comunidades e organizações. Dentro deste contexto, a universidade tem um papel importante e essencial, qual seja, o de proporcionar a estruturação do conhecimento em termos de pesquisa e desenvolvimento com vistas à almejada inovação. 

O Brasil editou a Lei de Inovação (Lei nº 10.973/2004 reformulada em 2016), que trouxe novidades jurídicas e contábeis, mas, o mais importante, criou instrumentos para facilitar e incentivar referida inovação, que nada mais é do que a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado no mercado (Manual de Oslo).

Realmente, muito se tem falado em inovação, em relacionamento universidade-empresa-governo (teoria da tríplice hélice - Etzkowitz), desenvolvimento regional/econômico, desenvolvimento econômico sustentável, pesquisa tecnológico/aplicável, etc. Atualmente uma das palavras mais utilizadas e difundidas neste contexto é a palavra "inovação". Organizações empresariais e sociais, entes estatais, universidades, etc. utilizam a palavra inovação com vários sentidos, conotações, aplicações e intenções. Em algumas situações chega-se ao ponto de banalizar sua utilização.

Assim, dentro desta perspectiva todos tem contribuído para formação de um ambiente que propicie a geração de empreendimentos inovadores, de novos produtos e processos, patentes de invenção, etc. Contudo, como dito, a universidade tem papel essencial neste processo. Destaca-se que, atualmente, existem muitas instituições universitárias baseadas nas próprias mudanças que as transformaram de universidade de puro ensino em universidades de ensino, extensão e pesquisa, lançando-se como alternativa viável na co-criação deste ecossistema inovador.

Exemplo disso é o estado de Santa Catarina, que além das Universidades Públicas Estatais, possui uma excelente estrutura de universidades chamadas comunitárias que estão comprometidas com o desenvolvimento das comunidades e ávidas pela geração da inovação com o setor empresarial e público (Sistema ACAFE). É perceptível, analisando o entorno das universidades, o engajamento destas (Unisul, Univille, UFSC, Udesc, etc.) na criação conjunta do chamado ecossistema de inovação e empreendedorismo no estado (programa catarinense de inovação, Centros de Inovação, Pacto pela Inovação, etc.). Santa Catarina já tem colhido resultados positivos destas alianças e visão, basta analisar os vários indicadores (IDH, densidade de Startups por município, cidades para investir, cidades para desenvolvimento de novos negócios, etc.)

É preciso reconhecer o trabalho já feito, mas é essencial perceber quanto trabalho há por vir. Nos próximos anos os Centros de Inovação estarão construídos, inaugurados e em funcionamento. O Governo fez seu papel (incentivo e mobilização), mas caberá as universidades e setores empresariais fazer com que tenhamos verdadeiros Centros de Inovação nas diversas regiões de Santa Catarina.

Fábio Zabot Holthausen

Gerente de Inovação e Projetos de P&D da AGETEC/UNISUL






logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br