FATOS E INTERPRETAÇÕES
Coluna assinada pelo corpo docente da Unisul

É preciso experimentar a descoberta, por Marcos Mazzucco

No dia 23 de março de 2010 li um texto que motivou-me a assistir um vídeo do navegador Amyr Klink. Tão provocador foi aquele momento que registrei-o para usar em minhas reflexões e, oportunamente, em apresentações em escolas e na universidade.

A seguinte passagem capturou meus pensamentos: "Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver".

Este texto, narrado pelo próprio navegador, com o sentimento angustioso daquela experiência vivida, há de encher a alma de qualquer um com a vontade de gritar "O que estou fazendo? E que viagem é esta? Por que eu não vou?"

Na solidão da empreitada, Amyr Klink pôde extrair a essência da descoberta: a busca por si na humildade das limitações e na grandeza da capacidade de superação e adaptação. Gosto de lembrar de minha infância e adolescência nas décadas de 1970 e 1980, porque nestes anos eram poucas as pessoas que assinavam jornais e revistas e eu não era umas destas. O conhecimento atualizado, daquela época, era pouco acessível. Nas escolas os livros eram reutilizados e recortes de jornais e revistas eram materiais tão valorosos que mereciam ser guardados. As experiências nos livros de ciências eram tão curiosas que, mesmo com insucessos, repeti-las eram um grande feito.

O prazer de experimentar faz o cientista, o prazer de produzir algo útil para muitos ou necessário para alguém faz o empreendedor. Lembro que eram fabricadas e improvisadas máquinas para agricultura em pequenas oficinas, por pessoas com pouca escolaridade, mas muito criativas. Meu pai e minha mãe, com poucos anos de escolaridade, investiram muito em soluções para tornar suas tarefas mais rápidas e fáceis e isto aguçava a curiosidade das crianças que estavam sempre em volta, querendo "ajudar" um pouco e atrapalhando bastante.

Hoje me pergunto se não estamos abreviando a curiosidade científica e o empreendedorismo das crianças e, principalmente, dos adolescentes, com o excesso de imagens e vídeos da Internet, tirando deles as experiências de "Conhecer o frio para desfrutar o calor. ... Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto". Enfim, muitas ilustrações e poucas atitudes. Há experiências que dificilmente teremos no Brasil, porque parece que, aqui, simplificamos muito em tudo. A emoção de conhecer algo muito complexo é suplantada, por muitos, pelo confortável prazer de estar informado acerca daquilo. Parece estar distante o dia em que nos emocionaremos com um foguete brasileiro cortando o espaço, porque a emoção da conquista científica não está nas raízes da maioria dos nossos colegas.

A música Countdown (1982) da banda canadense RUSH descreve a emoção da multidão ao assistir o lançamento de um ônibus espacial. Um trecho da música, livremente traduzido, conta: "O ar está carregado - uma massa úmida, sem movimento. A multidão e as câmeras. Os carros cheios de espectadores passam. Excitação tão densa que você poderia cortá-la com uma faca. Alta tecnologia, na fronteira mais importante da vida". Há muitas conquistas científicas que poderíamos comemorar e muitas vitórias futuras para desenhar, mas é preciso experimentar a descoberta. Imagine como seria possível "conhecer" o sabor e o cheiro de uma fruta através de imagens! Experimentar a descoberta é saborear com todos os sentidos e isto é fundamental para ativar a criatividade empreendedora que nos fará o país das vitórias científicas. 

Prof. Dr. Marcos Marcelino Mazzucco, coordenador dos cursos de Engenharia Química e Engenharia de Controle e Automação na Unisul 






logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br