ARTIGOS

O milho e a realidade catarinense, por José Zeferino Pedrozo

19 Fevereiro 2018 13:15:00

O verdadeiro rei dos cereais é o Milho. Quando abundante e barato, irriga o funcionamento das imensas cadeias produtivas; quando escasso e caro, inviabiliza e quebra grandes indústrias de processamento de carne. Santa Catarina possui o mais avançado parque agroindustrial brasileiro da avicultura e da suinocultura. Essa fabulosa estrutura gera uma riqueza econômica de mais de 1 bilhão de aves e 12 milhões de suínos por ano, sustenta mais de 150 mil empregos diretos e indiretos e gera bilhões de reais em movimento econômico. Insumo essencial para o funcionamento desse gigante, o sucesso ou o fracasso da cultura do milho reflete diretamente na economia catarinense. 

A grande e grave questão que se coloca todos os anos é: como abastecer Santa Catarina de milho - são necessários mais de 6,5 milhões de toneladas por ano - se o Estado tem um crescente e aparentemente insuperável déficit? O cenário é de franca decrepitude. Em 2005, 106 mil produtores rurais catarinenses cultivavam 800 mil hectares. Nesses treze anos, a área plantada foi se reduzindo celeremente. Em 2017, foram cultivados apenas 331 mil hectares de lavouras. A produção estadual, que já atingiu 4 milhões de toneladas/ano (2007/2008), caiu para 2,4 milhões nesta safra 2017/2018.

A conjugação de uma série de fatores contribuiu para chegarmos a esse ponto, com redução tão drástica da produção. Os agricultores migraram para a soja, um produto com grande liquidez no mercado de commodities, menor custo de produção e melhor remuneração final. Outro fator é que 40% do milho que SC produz se destinam a silagem, portanto, não sai da propriedade e é utilizado na nutrição da pecuária leiteira. As deficiências de armazenagem constituem um problema adicional.

Esse quadro representa uma equação perigosa. A contínua queda da produção interna exige importação de outros Estados ou de outros países. Neste ano será necessário obter fora do território catarinense cerca de 4 milhões de toneladas de milho. Por sorte, há milho suficiente nos mercados nacional e internacional e não há sinal de desabastecimento. (O Brasil produzirá 80 milhões e consumirá 60 milhões de toneladas). Especialistas, entretanto, preveem que em 2019 - em razão do comportamento dos preços - eclodirá nova crise de abastecimento, e o insumo voltará a ficar escasso e caro.

Na condição de maior importador de milho, Santa Catarina obtém o cereal em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, executando uma absurda operação rodoviária com mais de 100 mil viagens ao ano em percursos de até 2.000 quilômetros, ligando o sul ao centro-oeste brasileiro. Agora surgiu uma articulação transfronteiriça entre Brasil, Argentina e Paraguai que permitirá a compra de milho paraguaio com a implantação do Corredor do Milho. O produto será adquirido nos Departamentos de Itapua e Alto Paraná (Paraguai), passará pelo porto paraguaio de Carlos Antonio Lopez, atravessará o rio Paraná em balsas, entrará em território argentino pelo porto de Sete de Agosto e seguirá até a divisa com o Brasil, sendo internalizado pelo porto seco de Dionísio Cerqueira. Essa é uma solução muito bem-vinda.

Enquanto planos, programas e ações do Governo e das agroindústrias não tiverem sucesso para estimular o plantio de milho em Santa Catarina, todos seguem refém desse grão que representa a principal fonte de nutrição de aves, suínos e gado leiteiro. O milho é um cereal que impacta profundamente na realidade do agronegócio catarinense.

José Zeferino Pedrozo

Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc)

e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC) 

logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br