ARTIGOS

artigo

O Brasil não parou, nem pode parar, por Luiz Lemos Leite

A partir de março de 2020, vivemos as incertezas do processo pandêmico do coronavírus obtendo no final do ano indicadores favoráveis de recuperação da economia e de controle da saúde.

A preservação da atividade econômica em conjunto com os cuidados da saúde ofereceu perspectivas animadoras quanto à superação dos efeitos devastadores desse vírus que abalou o mundo.

O governo envidou esforços de natureza sanitária e econômica para salvar vidas e evitar a paralisação das atividades produtivas, com medidas emergenciais adotadas para alocar bilhões de reais como é do mais amplo conhecimento de todos.

Neste contexto de tantas complexidades, é de ressaltar o invejável papel desempenhado pelo fomento comercial, que contribuiu, de forma significativa, injetando cerca de R$120 bilhões, em recursos próprios, para garantir o funcionamento das micro, pequenas e médias empresas, em montante bem superior ao liberado pelo PRONAMPE, programa de crédito elaborado pelo governo.

Entretanto, com sua experiência e habilidade, o fomento comercial soube usar a sua capacidade para administrar as dificuldades enfrentadas pelas micro, pequenas e médias empresas, mitigando os efeitos de uma inadimplência, prorrogando prazos e repactuando contratos para assegurar a sobrevivência de suas empresas clientes.

Tão invejável foi o desempenho do fomento comercial que é de inteira justiça enaltecer os resultados obtidos na gestão de riscos, operando sua carteira de recebíveis com índices de liquidez, razoáveis, que giraram em torno de 70 a 90%.

Iniciamos 2021 com essas auspiciosas perspectivas contextualizadas pelo início da vacinação.

Inquestionavelmente a vacinação foi comemorada com a esperança nacional de imunização e de retomada efetiva da normalidade da vida do País.

A par de todas essas medidas, não se pode omitir a participação efetiva da indústria, do comercio, do agronegócio e dos serviços que geraram renda e emprego, que, só poderão ter sucesso se conjugados com um intenso programa de vacinação para bloquear a circulação do vírus.

A pauta da mídia nacional se tornou exaustiva e tautológica ocupando espaço e tempo insistindo em discorrer e vaguear com especulações de natureza geopolítica, ideológica, sociológica, econômica e humanitária, em torno do gravíssimo problema pandêmico de nossa atualidade.

Por que não ressaltar a atuação daquelas atividades produtivas que sustentam a economia?

Nestes meses de pandemia, férteis para a criatividade do pequeno empresário, surgiram 2 milhões de novas microempresas individuais, segundo o SEBRAE. Hoje no Brasil são 11 milhões de MEIs, fora as pequenas e médias empresas. Este é o mercado alvo do fomento comercial , que vem sendo muito bem trabalhado.

O Brasil é um País prodigioso com um potencial incomensurável de riquezas. Para nós, que nestes meses temos realizado viagens, de carro, por São Paulo, Paraná e Santa Catarina, a maior e mais cabal prova está nas rodovias deste imenso Brasil, cruzadas em todos os sentidos por intensa movimentação de milhares de caminhões transportando riquezas agregando valor à economia. Temos que valorizar o trabalho de milhares de brasileiros que se desdobram em produzir bens e serviços.

Caminhão não faz turismo.

A única solução, para o momento, está em respeitar os protocolos, com a vacinação em massa, com os cuidados básicos de saúde, conjugada com a preservação da atividade econômica para gerar milhares de empregos em todos os segmentos da economia nacional incrementando a capacidade de renda das classes menos favorecidas para aumentar o valor do PIB nacional.

Empresários do fomento comercial, vamos prosseguir nessa luta de apoio às micro, pequenas e médias empresas.

Sucesso! Muito Sucesso!


Por Luiz Lemos Leite, presidente da (Associação Nacional de Fomento Comercial) Anfac e ex-diretor do Banco Central




logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 902 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br