ARTIGOS

Eleições e esperança, por José Zeferino Pedrozo

04 Maio 2018 14:45:00

Estamos vivendo tempos estranhos no Brasil. Há uma crise econômica entrando em seu quarto ano consecutivo que, apesar de diminuir na sua intensidade, continua vergastando a sociedade brasileira com o desemprego, o baixo nível de investimento dos setores público e privado, consumo estagnado, grau de confiança reduzido e algumas nuvens no horizonte. O cenário político é marcado pelo acirramento de posturas, polarizações violentas e radicais e nódoas de intolerância. O festival de corrupção que impregnou a máquina pública tendo como protagonistas a maioria do Partidos Políticos com representação no Congresso Nacional vem se revelando onipresente nas três esferas da atuação estatal - União Federal, Estados e Municípios - de uma forma nunca antes imaginada. 

O único fator positivo desse quadro aterrador é a constatação segundo a qual as instituições republicanas, colocadas à prova em face de demandas graves e sob pressões gigantescas, deram prova cabal de maturidade para resistir e perseverar no cumprimento de suas missões institucionais. Poder Judiciário, Ministério Público, Polícia Federal, Procuradoria Geral da República mostraram-se à altura de suas responsabilidades, não desviando-se do cumprimento do dever, embora, em determinadas fases de ações e operações, aflorassem manifestações de partidos, gestores públicos, agentes econômicos etc, bradando contra eventuais excessos no curso de processos e diligências.

Preocupa-me como o cidadão brasileiro está interpretando essa fase particularmente complexa da vida nacional. Não sei se ele percebe que, apesar da imensa corrupção praticada, existem milhares de investigações em curso que podem reparar o estrago que corruptos provocaram no erário público. Temo que a convicção nos ideais democráticos, no modelo republicano e nos valores da liberdade e da justiça social sejam solapados ou enfraquecidos a cada escândalo que eclode em nossa sociedade, nos quais os recursos públicos que poderiam sustentar serviços de qualidade em saúde, educação, cultura, infraestrutura e segurança são criminosamente drenados por organizações criminosas para beneficiar pessoas e empresas. Quando lideranças políticas nacionais que, em suas solenidades de posse, juraram respeitar a Constituição Federal, cumprir e fazer cumprir as leis da República, mas quando denunciadas ou condenadas proclamam publicamente desprezo ao ordenamento jurídico, prestam um desserviço ao País e à Democracia.

Como exigir que o cidadão cumpra a lei, pague seus impostos, atenda a seus compromissos, quando o exemplo das altas esferas políticas (deputados, senadores, ministros, ex-presidentes, presidentes de estatais) e econômicas (grandes empresários) vem enlameado pela mais abjeta corrupção e acompanhado pela irresponsabilidade de uma pregação de ódio e desagregação.

Grande parcela da sociedade brasileira deposita nas eleições deste ano a esperança de estabilidade e de pacificação que a Nação reclama. A eleição pode representar o início de uma nova fase, mas, não nos enganemos: os problemas estão sendo apenas procrastinados. O Congresso não teve coragem de fazer as reformas necessárias (especialmente a da Previdência), não há mais capacidade de investimento, as despesas com pessoal aproximam-se dos limites legais, os contribuintes não suportam aumento da carga tributária - e o Estado brasileiro fica a cada dia mais pesado e ineficiente. Pior, categorias funcionais em sólidas carreiras acreditam que o Estado existe apenas para pagar salários aos servidores públicos.

Há uma tempestade perfeita se formando. Precisamos desarmá-la. 

José Zeferino Pedrozo

Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC) 






logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br