ARTIGOS

artigo

Artigo: 'A próxima estrela do agronegócio', por Mário Lanznaster

21 Novembro 2017 15:49:00

Mário Lanznaster , presidente da Cooperativa Aurora Alimentos e vice-presidente para o agronegócio da Fiesc

Santa Catarina tem uma inequívoca vocação para a produção de alimentos. A nossa produção de grãos, frutas e carnes já conquistou os mercados mundiais mais exigentes. Desenvolvimento e expressão semelhantes atingirão, num futuro breve, os setores ligados à produção de leite. Temos a quarta maior bacia leiteira do Brasil e uma moderna indústria de processamento e industrialização dessa importante matéria-prima, essencial à nutrição humana. Cerca de 80 mil famílias rurais se dedicam a essa atividade, que gera importante receita mensal, contribuindo com a qualidade de vida e com a economia dos municípios catarinenses.

A cadeia produtiva de lácteos vem fazendo, nas últimas duas décadas, fortes investimentos para a contínua elevação da qualidade nas várias fases do processo. Nesse esforço se aliaram as cooperativas, os laticínios, os produtores rurais e os integrantes do Sistema S - Senar, Sebrae, Sescoop. 

Evoluímos, mas precisamos avançar ainda mais. Nosso referencial, no plano internacional, é a Nova Zelândia, que detém a mais eficiente cadeia produtiva do Planeta. O processamento industrial do leite neozelandês gera 1.400 derivados. 

Onde precisamos melhorar para produzir um leite de qualidade e a custos competitivos? É preciso perseverar nos programas de melhoramento genético dos rebanhos de gado leiteiro porque uma das prioridades deve ser o aumento de sólidos. O leite brasileiro rende 1/3 a menos, na indústria, em relação ao leite da Nova Zelândia. Outro caminho irreversível é a produção de pastagens e a adoção do sistema Voisan (pastoreio rotativo), que já vem sendo praticado com sucesso em Santa Catarina, com grande efeito na redução de custos. 

Também é essencial perseverar nas metas de erradicação da brucelose e da tuberculose, investir em equipamentos de ordenha e resfriamento nos estabelecimentos industriais e aperfeiçoar a logística.  

Hodiernamente, não temos presença no mercado internacional de lácteos, mas, não há dúvida de que, em poucos anos, seremos um importante competidor. Talvez o principal concorrente da Nova Zelândia. Temos solos, clima, recursos humanos e vocação para esse desiderato. A estrada para essa conquista será pavimentada com esforços e investimentos dos produtores rurais, das indústrias, dos centros de pesquisa e do Estado.

Os resultados serão econômicos e sociais, já que praticamente todos os estabelecimentos agropecuários em território barriga-verde produzem leite, o que gera renda mensal às famílias rurais e contribui para o controle do êxodo rural.

logo_rodape.png

Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 |
(48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br